04 de fevereiro

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
16/12/22 às 10h24 - Atualizado em 16/12/22 às 10h24

Placas de cimento garantem funcionamento do sistema de exaustão do túnel

COMPARTILHAR

As placas cimentícias que revestem as paredes do Túnel de Taguatinga também poderão ser vistas no teto da construção. As peças de 1,2 x 2,4 m vão forrar a laje da passagem subterrânea nas áreas próximas aos ventiladores. A cobertura vai assegurar o bom desempenho do sistema de exaustão.

O teto do Túnel de Taguatinga é todo nervurado. Isso porque as vigas da laje ficam expostas, formando espaços livres entre elas. “Esses vãos podem causar turbulência no jato de ar liberado pelo sistema de exaustão”, explica o engenheiro civil André Borges, um dos responsáveis pela obra. “Daí a necessidade de forrarmos o teto para deixá-lo liso”, informa.

A qualidade do ar no interior do Túnel de Taguatinga será garantida por 52 ventiladores | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Armações de aço galvanizado já começaram a ser instaladas ao redor dos grupos de ventiladores. O aço galvanizado é um material que passa pelo processo conhecido como galvanização, no qual o aço é revestido por uma camada de zinco bem fina que proporciona mais resistência contra a corrosão (ferrugem).

As placas cimentícias serão parafusadas a essas estruturas, conhecidas como steel frame. “Vamos forrar cinco vãos para frente e cinco para trás”, detalha Borges. “O trabalho já foi executado ao redor de três conjuntos de aparelhos”, conta.

A boa qualidade do ar no interior do túnel será garantida por um total de 52 ventiladores. Se o lado sul terá 22 aparelhos, o lado norte exigirá uma exaustão mais potente – serão 30 equipamentos no percurso que irá da Estrada Parque Taguatinga (EPTG) até a Avenida Elmo Serejo. Isso porque os veículos irão trafegar contra a corrente de ar natural que entra pela extremidade da passagem.

(Com informações da Agencia Brasilia)

Mapa do site Dúvidas frequentes